Floresta+ foi criado na gestão Temer e obteve recursos por redução do desmatamento no governo Dilma

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese.

Aprovado pelo fundo climático da ONU há dois anos, no início da gestão Bolsonaro, o projeto Floresta+ continua no papel, apesar das recorrentes menções em redes sociais do governo federal.

O Floresta+, inicialmente (e falsamente) vendido pelo ministro Ricardo Salles como “o maior programa de pagamento por serviços ambientais do mundo”, obteve US$ 96,5 milhões (cerca de R$ 500 milhões) do Fundo Verde do Clima (GCF, na sigla em inglês). A negociação foi iniciada em 2018, no governo Temer.

O Brasil conseguiu os recursos por resultados na redução do desmatamento em 2014 e 2015, no governo Dilma. O GCF é o fundo multilateral criado no âmbito do Acordo de Paris para financiamento de projetos que gerem benefícios ambientais globais relacionados à mudança do clima.

É com essa mesma lógica – de pagamentos por resultados – que doadores como Noruega e Alemanha depositavam no Fundo Amazônia, paralisado desde 2019 pelo governo Bolsonaro.

A proposta de financiamento submetida ao fundo da ONU estabelece que a seleção de beneficiários do Floresta+ ocorreria ao longo dos primeiros 12 meses de implementação.

O projeto foi aprovado pelo GCF em fevereiro de 2019 e documentos oficiais apontam janeiro de 2020 como início efetivo do Floresta+.

Agricultores familiares, povos indígenas e comunidades tradicionais da Amazônia são o público-alvo do projeto original. Com o pagamento a quem conserva e recupera a vegetação, o objetivo é desestimular a derrubada da floresta.

Resposta obtida pela Agência Rubrica por meio da Lei de Acesso à Informação (LAI) mostra que o cronograma de seleção dos beneficiários não foi cumprido. O Ministério do Meio Ambiente (MMA) informou no último dia 18 que “ainda não foram realizadas as chamadas públicas para a seleção de beneficiários do Floresta+”.

Outra etapa definida para o primeiro ano na proposta aprovada pelo GCF é a de consultas às comunidades tradicionais e indígenas, que não teriam ocorrido até o momento. A Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) informou em nota que não foi consultada sobre o Floresta+: “reiteramos que o atual governo só dialoga com indígenas quando obrigado judicialmente, e ainda assim não atende às demandas dos povos indígenas. Esperamos que o Floresta+ respeite o processo de consulta prévia aos povos indígenas e comunidades tradicionais. Estaremos alertas para defender os direitos dos povos originários do Brasil.”

Procurados desde segunda-feira (22/02), o MMA e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), que também é responsável pela implementação do projeto, não haviam respondido até a publicação deste texto. O post será atualizado após as respostas.

Apesar de nenhum beneficiário ter sido selecionado, o MMA afirmou no Twitter em janeiro que “já tem entregas por todo o Brasil!”, acrescentando: “Confira ações do Lixão Zero, Floresta+, ecoturismo e muito mais!”

Em postagem na última sexta-feira (19/02), o ministro Ricardo Salles voltou a afirmar que o Floresta+ é o “maior programa de pagamento por serviços ambientais do mundo”, o que não é verdade.

“Pegamos um recurso que vem do GCF, R$ 500 milhões, e iniciamos um projeto piloto na Amazônia. É remunerar quem preserva”, disse o ministro no vídeo.

No projeto aprovado há previsão de pagamento para proprietários rurais que excedem a obrigação legal de manter a mata nativa em 80% de suas terras na Amazônia, mas Salles quer incluir entre os beneficiários aqueles que deveriam cumprir o que determina o código florestal. No caso do excedente de reserva legal, o proprietário receberia um incentivo para não desmatar área que de fato poderia ser desmatada com autorização.

“Ao invés de ter só a política da fiscalização, do comando e controle, tem um incentivo que precisa ser econômico para aquelas pessoas que têm as boas práticas: quem mantém a reserva legal preservada ou o excedente de reserva legal, as Áreas de Preservação Permanente (APPs), mata ciliar e assim por diante”, afirmou Salles. “O governo vai cadastrar esses pequenos e médios produtores, ribeirinhos, comunidades tradicionais e remunerá-los de acordo com aquilo que for mensurado e certificado ano a ano.”

O ministro já defendeu que o Fundo Amazônia seja usado para pagar indenizações a produtores rurais que ocupam terras em unidades de conservação.

Em reunião virtual na última quarta-feira (17/02) com o representante de Joe Biden para assuntos climáticos, John Kerry, Salles voltou a condicionar o eventual cumprimento de metas ambientais pelo Brasil à liberação de novos recursos internacionais – US$ 10 bilhões por ano, cifra que o governo nunca justificou.

No entanto, além dos R$ 500 milhões do Fundo Verde do Clima, o governo Bolsonaro trava há dois anos a aplicação de R$ 2,9 bilhões doados por Noruega e Alemanha para o Fundo Amazônia, e responde a um processo no STF por isso.

O projeto aprovado pelo GCF corresponde a um quinto do total disponibilizado para programas de redução de emissões por desmatamento pelo fundo no mundo inteiro. O Brasil recebeu a maior doação de recursos de REDD+ ocorrida até o momento.

Em postagem de dezembro, o MMA alega que outras iniciativas relacionadas ao Floresta+ foram realizadas em 2020, além do “projeto-piloto” na Amazônia: o “Floresta+ Carbono”, o “Floresta+ Formalizado” e a Política Nacional de Pagamento por Serviços Ambientais.

Fakebook.eco apurou que o secretário da Amazônia e de Serviços Ambientais do MMA, Joaquim Pereira Leite, tem feito reuniões com o setor privado para “vender” o programa. Nos planos apresentados constam ainda um “Floresta+ Água” e um “Floresta+ Empreendedor”.

A lei que institui a Política Nacional de Pagamento por Serviços Ambientais foi sancionada em janeiro pelo presidente Bolsonaro com vetos que fragilizam sua aplicação, prejudicando principalmente a transparência e o controle social. Mas o art. 41 do Código Florestal já previa o uso de incentivos econômicos e financeiros para conservação e recuperação da vegetação nativa.

O Floresta+ não dependia, portanto, da nova lei para funcionar. Um exemplo disso é o Programa Produtor de Água, também de pagamento por serviços ambientais, criado há duas décadas pela Agência Nacional de Águas (ANA).

Contrariamente aos objetivos do Floresta+, Bolsonaro ataca a fiscalização do cumprimento do Código Florestal desde a campanha eleitoral e reduziu a ação do Ibama em campo, como prometera na campanha: em 2020, as multas por crimes contra a flora na Amazônia caíram pela metade (50,2%) em relação ao último ano do governo Temer, apesar do aumento do desmatamento.

A nova lei sobre PSA também não resolve o problema mais crítico desse instrumento: a fonte de recursos financeiros. O pagamento por resultados pela redução do desmatamento (REDD+) poderia ser uma delas, mas a taxa de desmatamento na Amazônia aumentou sob Bolsonaro (34% em 2019 e 9,5% em 2020) – e possíveis doadores se afastaram diante da política ambiental do governo.